Whey Protein: O suplemento alimentar do momento

Whey Protein: O suplemento alimentar do momento

04
Manter ou aumentar a massa magra, melhorar o desempenho físico e reduzir a gordura corporal são alguns dos atrativos relacionados ao uso do Whey Protein. Conheça mais sobre esse suplemento alimentar que é sucesso entre os frequentadores de academia. Por Eduardo Lima

O Whey Protein é atualmente o queridinho dos adeptos da musculação. Esse suplemento, composto em sua maior parte pela proteína extraída do soro do leite, além de carboidratos e gordura, é consumido pelo público com a promessa de resultados visíveis e rápidos para quem deseja conquistar músculos e melhorar o desempenho em exercícios de força. O produto também pode ser usado por quem quer emagrecer, sem perder massa magra, pois ele ajuda a controlar os níveis de açúcar no sangue, saciando a fome mais rápida do que outras proteínas.

O suplemento possui diversas vantagens sobre as outras fontes de proteínas, começando pelo seu valor biológico que é 100. Para se ter uma ideia, o valor biológico do frango está em 79, do peixe 83, carne vermelha 80, ovos de 88 a 100, e laticínios, como o leite e queijo, chegam a 80. O Whey Protein vai além e possui ação antioxidante (que fortalece o sistema imunológico), maior retenção de nitrogênio (fator de crescimento muscular) e rápida absorção, o que é fundamental para quem faz uso dessa proteína para hipertrofia na musculação.

Normalmente, o Whey Protein é consumido após as atividades físicas, pois se sabe que a proteína é essencial para regenerar o músculo após um exercício intenso. No entanto, tomar o suplemento não pode ser visto como algo tão simples e deve ser acompanhado de perto por uma nutricionista. "O organismo de cada pessoa é totalmente diferente do outro e as diferenças são específicas. A quantidade de Whey Protein que deve ser ingerida, a forma de preparo e o horário para que isso aconteça não vai depender apenas de peso e altura, mas também após diagnóstico da capacidade renal, das enzimas do fígado e tendência à acne. Deve-se lembrar que não podemos nos basear pelas mídias sociais, pois devemos ter respeito pela nossa própria saúde. Individualizar é essencial", alerta a nutricionista, Ana Cristina Wolf.

Existem diferentes composições do suplemento, que variam de acordo com a proporção de proteína, carboidratos e gordura, o que vai resultar nos três tipos mais conhecidos de Whey Protein:
- Whey Protein Concentrada: Uma opção mais em conta financeiramente, já que o custo para elaboração desse produto é mais barato. Possui entre 70% e 80% de proteínas e o resto são divididos entre carboidratos e gorduras.
- Whey Protein Isolada: Sua concentração de proteínas é muito maior se comparada a Whey Protein Concentrada, resultando em até 95% de proteínas. Em algumas marcas chega a ser zero a quantidade de carboidratos e gordura. Uma ótima opção para quem está em dieta de redução calórica.
- Whey Protein Hidrolisada: Esse tipo de Whey, normalmente o mais caro, passa por um processo conhecido como hidrólise, onde é feita a quebra das cadeias protéicas em fragmentos menores de peptídeos, o que facilita e torna ainda mais rápida a absorção do suplemento pelo organismo. É importante ressaltar que quem irá definir qual o tipo de produto consumir é a nutricionista.

Como o nome já diz, o Whey é um suplemento alimentar e não um alimento, ou seja, de acordo com Ana Cristina Wolf, o produto não deve substituir uma refeição principal, mas complementar a dieta. “Refeições saudáveis como saladas, arroz integral, carne magra e outra infinidade de nutrientes jamais devem ser substituídos por shakes. Porém, se você não tiver tempo pra comer e for algo esporádico e não rotineiro, acho viável. O alimento é prazer e qualidade de vida”, fala.
Sozinho, o Whey Protein não faz milagre, devendo haver um equilíbrio entre alimentação saudável e atividade física. Por isso, para obter resultados expressivos, é importante contar com a ajuda de um professor de educação física que irá planejar o treino. "Os exercícios devem ser personalizados variando de acordo com as necessidades, particularidades e limites de cada pessoa. Assim, por meio de uma prescrição correta, as lesões são evitadas e os objetivos alcançados", diz o personal trainer da Academia CB Fitness, Paulo Fiúza.

Fica o alerta: Caso ingerido em excesso, o Whey Protein pode sobrecarregar os rins, fazendo com que a função renal seja prejudicada progressivamente, assim como ocasionar a sobrecarga do fígado. "O consumo indiscriminado do shake também pode levar ao ganho de peso indesejado. Por isso, consumi-lo diariamente, mesmo em dia que não haja treino, é indicado somente para triatleta ou fisiculturista. Não indico em casos de atletas amadores", orienta a nutricionista. Outra forma de evitar possíveis problemas associados ao Whey Protein, é buscar consumir somente os produtos que não tiveram suas vendas proibidas e nem foram reprovados em testes e laudos realizados pelos órgãos competentes, como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Por isso, fique sempre atento!

Dicas para conseguir um corpo perfeito

Evitar dietas restritivas


Um dos erros mais comuns em dieta para o ganho de massa muscular é consumir quantidades adequadas de proteínas, mas não ingerir calorias suficientes para suprir o corpo de energia. É verdade que seu corpo necessita de proteínas para crescer, mas se essa medida for acompanhada de uma dieta muito restritiva em calorias, de nada vai adiantar.

Consumir carboidratos


Os carboidratos são a principal fonte de energia para o corpo. Se o corpo não tem reserva em carboidratos, ele terá que obter nas proteínas a energia de que necessita para treinar. Além disso, os carboidratos têm um papel importante na liberação de insulina, que é um hormônio anabólico, atuando inclusive na construção das proteínas. Porém, é importante lembrar que os carboidratos devem ser ingeridos nas quantidades adequadas, pois em excesso eles provocam acúmulo de gordura.

Descansar bem


Descanso é essencial para a construção muscular. A pessoa que não descansa não obtém construção muscular satisfatória. Esse descanso engloba as 48h entre uma série e outra, as pausas entre os grupos de repetições (de 60 a 90 segundos) e as horas de sono.

Consumir proteínas


Proteínas são o principal nutriente responsáveis pela construção muscular. O ideal para praticantes de atividades físicas é consumir de 0,8 g a 1,5 g de proteínas para cada quilo corporal. Por exemplo, uma pessoa que pesa 70 kg, deve consumir de 56-105g de proteína/dia. O ideal é dividir esta quantidade em pequenas porções ao longo do dia para melhor absorção e assimilação. Boas fontes de proteínas são carnes magras, frango, peixe e clara de ovo.

Fracionar as refeições


O ideal é fazer 6 refeições por dia. Embora exija bastante disciplina, comer porções menores e mais vezes ao dia compensa no final. Uma razão é a liberação frequente de insulina. Quando você come, o nível de glicose no sangue aumenta e a resposta do organismo para isso é a liberação deste hormônio, um potente anabólico.

Beba bastante água:


Mais de 70% do corpo é composto por água. Se a pessoa estiver desidratada, os músculos não crescem. Após treinos longos e intensos, é necessário repor não só água, mas também os sais minerais e os carboidratos perdidos.

Manter ou aumentar a massa magra, melhorar o desempenho físico e reduzir a gordura corporal são alguns dos atrativos relacionados ao uso do Whey Protein. Conheça mais sobre esse suplemento alimentar que é sucesso entre os frequentadores de academia.