Muay Thai e Boxe: aliados para um o corpo perfeito

Muay Thai e Boxe: aliados para um o corpo perfeito

box
Cada vez mais o público feminino tem procurado as academias para práticas esportivas que envolvem as lutas. O motivo é combater de frente os quilinhos extras e nocautear as gordurinhas indesejadas. Entre as práticas mais procuradas estão o Muay Thai e o Boxe. As duas lutas, cada uma com suas particularidades, podem ser verdadeiros aliados para alcançar a vitória de ter um corpo perfeito. Para saber mais sobre os pontos fortes das duas modalidades, procuramos uma academia especializada para ajudar você nesse luta contra a balança. Por Julyana Silveira

Mesmo parecendo ser um combate agressivo para as mulheres, na prática, a finalidade tanto do muay thai, quanto do boxe, está longe de ser uma atividade “truculenta”. O que se pode ganhar na verdade são benefícios como emagrecimento rápido, auto-controle da mente e, por incrível que pareça, relaxamento.

Esses benefícios comuns há ambos, mas no combate em si, elas diferem um pouco, já que no “boxe só são permitidos golpes com as mãos e no muay thai são permitidos golpes com mãos, cotovelos, pés e joelhos”, explica o professor de boxe, Ronaldo Arruda. “O muay thai é uma luta tailandesa, onde são usadas técnicas de soco, chute, cotoveladas e joelhadas, no boxe, só são usadas técnicas de soco”, completa o professor de muay thai, André Tererê.

Mas não se intimide quanto à palavra golpes e socos, por que as duas lutas têm realmente inúmeros benefícios. No caso do boxe, segundo o professo Ronaldo, é uma boa escolha para quem quer perder peso ou definir o corpo. “Esse esporte está entre as melhores opções. De modo específico, no boxe, os movimentos são alternados, ou seja, para dar um soco com a mão direita é necessário a movimentação de todo o corpo, desde a ponta do pé esquerdo, passando pelas pernas, cintura, abdômen, peitoral, braços até a cabeça e essa alta exigência”, explica o profissonal. O melhor dessa luta é que cada golpe é responsável pela alta queima calórica, cerca de 1.000 calorias em média, por treino.

Segundo o professor, André Tererê, o muay thai também leva a um altíssimo gasto calórico quando praticado, e com um ponto positivo, é uma aula mais dinâmica que a prática do boxe. “Todos os dias são feitos treinamentos diferentes e isso ajuda a trabalhar o gasto calórico, além de ser um aliado para modelar o corpo, pois é uma atividade que o trabalha por inteiro”, comenta o professor.

Se uma pede mais agilidade que a outra, ambas comungam para o grande objetivo das mulheres: o emagrecimento. Tanto o muay thai quanto o boxe também são aliados para conseguir o que toda mulher deseja: pernas, glúteos, abdômen, braços, costas e peitorais bem definidos. “Além de ajudar na correção da postura, favorecer o aumento da capacidade cardiorrespiratória, melhorar a concentração e a coordenação motora e apurar o raciocínio e o reflexo”, reforça Ronaldo Arruda.

E quer saber outro ponto bastante positivo, são lutas que levam a aliviar o estresse do dia a dia. “No caso do muay thai, além da aluna aprender uma arte marcial, ajuda no alto controle, no alivio do estresse”, garante o André Tererê. Depois de um dia cansativo de trabalho ou uma briga com o parceiro não tem mais desculpas para aliviar a raiva com comida, é só recorrer a uma das duas lutas.

A jornalista Paula Bezerra, 27 anos, pratica o muay thai há um ano e, desde então, sente na pele – e porque não no corpo – as maravilhas que o esporte traz. “Comecei por indicação de uma amiga, já conhecia, mas precisava de um incentivo a mais. Com pouco tempo notei a diferença no meu corpo, emagreci 4 quilos em dois meses, sem contar que minhas pernas, meus braços e meu abdômen mudaram, ficaram mais definidos. Com os resultados aparecendo não quis mais parar. Larguei a musculação, que fazia só por fazer, e me apaixonei pelo muay thai. Não quero deixar de fazer nunca, pois minha mente, meu estado de espírito, meu humor é outro. Sou muito mais feliz e disposta”, relata a jovem. Seguindo a mesma linha de Paula, a fisioterapeuta Jamile Guerra, 32 anos, é só elogios ao boxe. “Adoro o meu esporte. Pratico há 6 meses e sinto de longe os benefícios. O meu corpo mudou muito, claro, mas o melhor é estar bem comigo mesma, ter a auto-estima lá em cima e um bem-estar único, pois o meu psicológico é outro. Descarrego as tensões do dia a dia e ainda recarrego as energias”.

Só mulheres grávidas ou que apresentem lesões no joelho ou coluna, por exemplo, é que devem optar por outra prática esportiva diferente do boxe, que não é recomendado nesses casos. O muay thai pode ser mais liberal, desde que em situações como essas seja consultado um profissional da saúde. “Como qualquer outro tipo de atividade física é sempre bom consultar um médico antes e saber se está apto para a modalidade”, recomenda André Tererê.

Não resta nenhuma dúvida por que cada vez mais, essas duas práticas esportivas vêm ganhando o público feminino. Grandes combatentes na causa do emagrecimento também se destacam de muitas atividades pelos “benefícios” psicológicos que proporcionam. Isso acontece porque as artes marciais também são embutidas de filosofia “ensinando o aluno a ter alto controle, pensar mais antes de agir em qualquer situação estressante”, explica o professor de muai thai. “Um plano de aula bem elaborado, não importando a modalidade ou arte praticada, é um verdadeiro aliado não só para alcançar um corpo bonito como uma cabeça estruturada”, completa Ronaldo Arruda.

Depois dos dois profissionais saindo em defesa das suas modalidades, você já deve ter decidido quem será o parceiro nessa luta para alcançar um corpo escultural. Vale lembrar também o ditado “mente sã, corpo são”.

RANKING DE DESEJOS

Elaboramos um ranking das motivações que levam as mulheres a praticar lutas:

1. Queima de calorias: perda de peso e mudança no corpo a partir de três meses de aula.

2. Pernas e glúteos torneados em uma atividade prazerosa – sem a monotonia dos exercícios de repetição da musculação.

3. Abdômen sarado sem abdominal.

4. Alívio do estresse porque a prática dos golpes funciona como um descarrego de tensão.

5. Mulheres sentem-se mais seguras, afinal, a luta é também uma forma de defesa pessoal.