Adolescentes, com limites e valores

Adolescentes, com limites e valores

6329041
“Passar limite aos filhos é uma prova de amor”. É o que acredita a psicóloga e psicanalista, Cinthia Nocrato. Mesmo não sendo uma tarefa fácil, especialmente quando o filho é um adolescente, a profissional reforça a responsabilidade que a família tem em apresentar ao jovem as regras, condutas e valores. Segundo a profissional, o grande desafio atualmente é tentar conciliar a autoridade dos pais com a liberdade dos filhos, pois os dois aspectos são imprescindíveis quando se trata de limites na adolescência. Por Julyana Silveira

“Educar adolescentes, determinar limites e regras não é fácil. Especialmente nessa fase em que eles acreditam que o mundo todo gira em função deles”, destaca a empresária Áurea Fontenele, mãe da jovem Thayanna, 13 anos. Apesar da aparente tranquilidade da adolescente, a empresária garante que impor limites a filha é ainda uma tarefa complexa, especialmente por a jovem que está vivenciando a sua fase “aborrecente”. “Mas é algo que eu e o pai começamos a ensiná-la desde pequenininha pela forma como ela foi criada e, principalmente porque não deixamos que ninguém interferisse na nossa criação, assim ninguém desrespeita nossas regras”, revela Áurea.

Segundo a psicóloga Cinthia Nocrato, a tomada de decisão de começar desde a primeira infância a ensinar limites aos jovens é bastante acertada. E com ênfase de que a escola não pode ser responsabilizada por oferecer esse tipo de ensinamento, como alguns acreditam. “É no âmbito familiar que começa o estabelecimento dos limites, das regras, das condutas e dos valores e esse fato inicia-se ainda na primeira infância quando a criança começa a internalizar a lei, a desenvolver sua capacidade de compreensão e a vivenciar suas primeiras frustrações. Portanto, cabe aos pais em primeira instância, dispor de ações claras e efetivas em relação aos limites com os filhos e esse processo reflete-se perante os diversos ambientes pelos quais os filhos interagem, provocando atitudes coerentes ou não, em razão dessa relação original”, destaca a profissional.

E tem mais: na idade jovem dos filhos, a função de transmitir limites continua inerente aos pais. A escola tem papel apenas de complementá-la. Com a jovem Thayanna, quem continuam a estabelecer “as regras” da casa são os pais, e a conversa foi o meio mais coerente que eles encontraram para isso. “Ela tem hora para estudar e para o lazer, mas quando questiona isso conversamos bastante. Os limites não são simplesmente impostos, às vezes são negociados. Sempre lhe ensinamos a obedecer, mas, sempre deixamos espaço para questionamentos, dentro do limite tolerável”, reforça a mãe.

Porém, reconhecemos que nem todos os pais conseguem essa harmonia através de um bate papo com o filho, por vezes nem mesmo uma troca de palavras. Mas adulto nenhum deve se sentir frustrado por não manter essa regra em casa, afinal, segundo Cinthia Nocrato, o estabelecimento de limites não é algo que se consiga facilmente. “Requer um investimento constante de afeto, paciência e é imprescindível que o estabelecimento dos limites se constitua através de regras claras, objetivas e coerentes e que sejam colocados com segurança e na hora certa, considerando a faixa etária do filho e os recursos mentais possíveis dentro daquela fase para a compreensão do limite estabelecido”, explica.

A profissional reforça que a fase conturbada da adolescência seja ainda respeitada. E para encarar isso nada melhor que o diálogo. “É a forma mais indicada e por isso é importante que os pais nestes momentos dialoguem com os filhos e expliquem quais os propósitos dos limites, como também é fundamental que os pais escutem os filhos, considerem seus argumentos e que em algumas situações ocorra uma negociação entre os interesses de ambos”, reforça a psicóloga.

Mas nem sempre é só a “má fase” da adolescência pelo qual o filho está passando que influencia na sua “falta de limites”. Em casos onde o jovem não tem ou não respeita qualquer limite a ele imposto a dica é responsabilizá-lo por seus próprios atos, caso algo venha a dá errado. “Se mesmo depois do diálogo, os filhos não obedecerem, torna-se necessário diante do contexto de cada dinâmica familiar, colocar sanções com o intuito de fazer se responsabilizarem pelos seus atos e decisões”, reforça Cinthia Nocrato.

A mãe do jovem Thayanna, às vezes, se vê em situações que a filha descumpriu o que foi acordado em casa, e se o diálogo não resolver procura meios de compensação. “Quando os limites são ultrapassados, primeiro conversamos, mas se voltar a acontecer, tiramos algo de que ela goste como a televisão ou bloqueamos a internet e proibimos que ela use as redes sociais que gosta muito”, diz Áurea Fontenele.

Apesar da “desobediência” em relação às regras, a mãe de Thayanna não considera a jovem rebelde, já que ela sempre aceita a “punição”. Mas em muitos outros casos a situação de falta de limite é bem mais complicada, onde o jovem se revolta contra as imposições e reage de forma inadequada. Essa reação de revolta, muitas vezes, está carregada da história de vida do adolescente, lembra Cinthia Nocrato. “Se a criança foi criada sem limites claros e coerentes, irá apresentar maior dificuldade no controle necessário dos seus impulsos, das suas tensões internas, dificuldade em tolerar e lidar com frustrações. São pessoas que buscam sempre o prazer imediato e se acostumam a exigir a satisfação pronta de suas necessidades e desejos.

Quanto mais cedo, os pais colocarem os limites de forma afetiva e com segurança de propósitos, menos problemas terão na adolescência”, reforça a profissional, que ainda faz questão de reforçar que as interdições por parte dos pais precisam ser no intuito do adolescente refletir e se responsabilizar sobre os seus atos e decisões e o diálogo é o que mais possibilita esta ideia. “O diálogo promove a oportunidade de pais e filhos exporem suas insatisfações e desejos de forma coerente. Portanto quando esse canal de diálogo entre pais e filhos se fecha, a situação se torna bem mais complexa, pois a maioria dos pais recorre a intervenções que podem desencadear situações bem delicadas como revolta e até atitudes extremas do adolescente”, enfatiza.

A melhor forma de intervir num comportamento inadequado é ouvir o adolescente e aplicar sansões de acordo com o erro cometido, ou seja, se o jovem agiu de forma inadequada ele precisa ter a consequência do seu ato, seja retirando algo de que ele goste ou fazendo arcar com a sua postura errada, no entanto, nunca essa punição deve ter caráter de agressão ou humilhação e sim de reflexão. “Desse modo, a intervenção indicada na adolescência envolve carinho e atenção, porém mesclada com autoridade e coerência”, finaliza a psicóloga.

Dicas de conversar os “limites” com filhos adolescentes

- Converse com seu filho adolescente em particular em um ambiente tranquilo e seguro. Explique a ele que o seu comportamento deve mudar e que você terá que estabelecer limites claros para ele seguir.

- Pergunte ao adolescente o que ele acredita que sejam expectativas razoáveis para uma pessoa da idade dele. Ouça o ponto de vista dele, sem interromper. Uma vez que o adolescente afirme a sua opinião, peça a mesma consideração dele.

- Espere que ele discuta e não concorde com você. Se o seu filho adolescente não teve limites claros no passado, ele ficará chocado e possivelmente com raiva que você se atreva a impor regras agora.

- Defina punições claras para quebra das regras ou exceder os limites e cumpra-as. Os adolescentes precisam de um comportamento consistente com os pais, o que ganha a confiança do adolescente e permite que a criança saiba o que esperar de você em todos os momentos.

- Peça um acordo verbal e até mesmo um escrito do adolescente se você desejar. Isso não deixa dúvida na mente do adolescente de que você está falando sério e que seu comportamento deve mudar ou haverá consequências.